A Festa da Divina Misericórdia

A Festa da Divina Misericórdia

  • Post category:Notícias

Hoje a Liturgia celebra o 2º Domingo da Páscoa e também o “Domingo da Misericórdia” ou “Festa da Misericórdia”, assim instituído pelo então Papa João Paulo II no ano 2000, decretando que a partir de então o Segundo Domingo da Páscoa se passasse a chamar Domingo da Divina Misericórdia.

Na oportunidade, João Paulo II expressou: “Cristo ensinou-nos que o homem não só recebe e experimenta a Misericórdia de Deus, mas é também chamado a ter misericórdia para com os demais” (Homilia de 30 de abril de 2000).

Não obstante a Instituição do Domingo da Misericórdia pelo hoje canonizado São João Paulo II, a inspiração para tal Decreto não veio de si mesmo, mas através de uma religiosa Polonesa, chamada “Irmã Faustina Kowalska”.

Faustina nasceu no dia 25 de agosto de 1905, em Glogowiec, na Polônia Central. Veio de Família simples, com poucos recursos e foi a terceira de dez filhos . Por ser de família considerada “pobre”, após dois anos de estudos, teve de dedicar-se ao trabalho para ajudar no sustento da grande família.

Com dezoito anos, a jovem Faustina disse à sua Mãe que desejava ser religiosa, mas NÃO teve o apoio esperado, o que lhe causou uma grande indignação e devido a tal, enveredou-se no seio das paixões e diversões mundanas até que, numa tarde de 1924, teve uma visão de Jesus Cristo flagelado que lhe dizia: Até quando te aguentarei? Até quando me serás infiel?”

Após uma experiência inconteste com o Ressuscitado, Faustina resolveu partir para Varsóvia, Capital da Polônia, onde no dia 1º de Agosto ingressou no Convento das Irmãs de Nossa Senhora da Misericórdia, onde acrescentou a seu nome o sobrenome “do Santíssimo Sacramento” devido ao seu grande amor a Jesus Sacramentado.

Irmã Faustina teve muitas experiências místicas com Jesus, que através de suas aparições, foi recordando à humilde religiosa o grande mistério da Misericórdia Divina. No parágrafo 699, ela relata o pedido de Jesus “Desejo que a Festa da Misericórdia seja refúgio e abrigo para todas as almas, especialmente para os pecadores.”

Além do pedido relatado acima, Jesus ainda fez outro pedido à Faustina, ordenando que ela providenciasse a pintura de uma imagem, que deveria retratá-lo conforme ela o via e sob os pés d‘Ele traria a inscrição: Jesus, eu confio em Vós, que certamente você já deve ter visto como “ a imagem de Jesus Cristo Misericordioso”.

Irmã Faustina faleceu no dia 5 de outubro de 1938, em Cracóvia, cidade Polonesa onde foi realizada a Jornada Mundial da Juventude de 2016.

Faustina foi Beatificada pelo Papa João Paulo II em 18 de abril de 1993, Santa Faustina, a “Apóstola da Divina Misericórdia” e foi canonizada pelo mesmo Sumo Pontífice no dia 30 de abril de 2000.

Após nos deleitar com esta linda história de Vida e Santidade de Faustina, que cumulou na Instituição do “Domingo da Misericórdia”, podemos concluir que três elementos foram fundamentais para que toda esta linda história se concretizasse.

O primeiro destes elementos sem dúvida ocorreu quando Faustina ouviu a voz do Cristo Misericordioso, num momento difícil onde Faustina estaria “mergulhada no pecado”. Este encontro pessoal levou-a a uma CONVERSÃO sincera e profunda.

Contudo, o encontro pessoal e íntimo com Jesus fez ela tomar uma decisão: converter a sua conduta e seguir em frente na sua vocação, “contra tudo e contra todos”, de forma que o segundo elemento de sua Santidade foi sem dúvida a “DECISÃO”.

Após tomar esta decisão, Faustina ingressa no Convento e não parou por ai, buscou incessantemente a adoração Eucarística, o que a levou a uma intimidade profunda com Jesus, ao ponto do próprio Cristo revelar a mesma “coisas que não revelaria” a qualquer pessoa, de forma que o terceiro elemento para a concretização desse chamado foi a “INTIMIDADE COM JESUS”.

Não seria loucura dizermos que Faustina desde sua concepção foi uma carismática autêntica. Afinal, a nossa história na RCC segue os mesmos passos que a Mística, ou seja, PECADO, CONVERSÃO, DECISÃO e INTIMIDADE COM O CRISTO.

Neste domingo da Misericórdia, deixe-se tomar pela profunda e sincera análise de consciência, reconheça o seu pecado, confesse o mesmo, adore e receba Jesus Eucarístico e faça como Faustina, entre em INTIMIDADE com o Cristo, ao ponto dele dizer a você, apenas um pouco das revelações que partilhou a Faustina.

Um Santo Domingo da Misericórdia para você e sua Família.

Osnaldo de Almeida Santos Júnior – Ministério de Pregação.

*(Leitura indicada: Faustina Kowalska, Santa; Diário – A Misericórdia Divina na minha alma. Curitiba: Apostolado da Divina Misericórdia.).

Da redação, Ministério de Comunicação.